terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Email Alerta: Um recurso útil para o investidor



É muito comum os investidores em geral, seja através de Redes Sociais (Facebook, Instagram, Youtube), fóruns de discussão ou ainda na Blogosfera procurarem as seguintes informações:

  • Quando será divulgado o balanço da empresa X?
  • Quando a empresa Y vai pagar dividendos?
  • Quanto vou receber de dividendos?
  • Se eu ficar com a ação até dia Z vou ter direito ao recebimento de dividendos?

Nesse sentido, as empresas oferecem, através do seu site de Relações com Investidores (RI), um recurso simples e extramente útil, aqui denominado Email Alert ou simplesmente Mailing, onde todas essas informações e demais Fatos Relevantes são enviados diretamente ao email do investidor cadastrado.

Como se Cadastrar?

Primeiramente, basta digitar o nome da empresa ou simplesmente o código da ação seguido do sufixo "ri". Por exemplo "itau ri", a primeira página sugerida pelo Google será a página de Relações com Investidores.
Busca no Google: Nome da empresa ou código da ação + ri


Feito isso, basta acessar o site e procurar por Mailing/Email Alert/Alertas RI e realizar seu cadastro. Algumas empresas solicitam somente seu Nome e Email no Cadastro, como é o caso do Itaú Unibanco. Ao clicar em Enviar você receberá um email automático confirmando seu cadastro.


Cadastro Email Alert: Banco Itaú


Algumas empresas podem exigir um Cadastro mais completo, por exemplo a BB Seguridade, contudo é um formulário básico e fácil de preencher, inclusive o investidor não tem a obrigatoriedade de informar alguns dados pessoais como Endereço e Empresa onde trabalha, limitando-se ao Nome e Email.

Cadastro Email Alert: BB Seguridade


Exemplos de Fatos Relevantes informados via Email Alert

Aviso: Distribuição de Dividendos Itaú


Aviso: Distribuição de Dividendos BB Seguridade


Aviso: Divulgação de Resultados 4T19 Engie

Conclusão

É muito importante que o investidor esteja atento à essas informações fidedignas, sobretudo sobre divulgação de resultados e anúncio de dividendos das empresas nas quais ele é sócio.

Vejo muito investidor iniciante que "perde o bonde", ou seja, se posiciona de forma incorreta numa ação visando o recebimento de dividendos, não o recebe e acaba frustrado vendendo suas ações posteriormente.  Isso tudo fruto de informação errada e/ou desencontrada.

Enfim, isso é algo muito particular, mas eu prefiro ir direto na fonte, então nada mais justo do que coletar as informações advindas da própria empresa, melhor ainda quando dispomos desse recurso em nossa própria Caixa de Entrada, além da segurança nos poupa um tempo precioso uma vez que não necessitamos buscar outros sites (por exemplo da Bovespa, que sempre fica fora do ar) ou Redes Sociais onde há difusão de muita informação distorcida.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Balanço 4T2019: Itaú e BB Seguridade

Foca no Balanço: essencial para o investidor fundamentalista

Em meio à tanta volatilidade e intempéries na Bolsa de Valores, o que mantém o investidor firme em suas posições é saber que as empresas na qual ele investe continuam lucrativas.

Através dos balanços trimestrais, temos uma noção dessa métrica e de toda a saúde financeira das empresas. Embora considere a comparação entre balanço anual mais eficiente na avaliação da empresa, acompanhar o trimestral também é importante para o sócio.

Pois bem, a ideia aqui é expor os resultados numa visão macro, caso queiram aprofundar no balanço, segue site de Relações com investidores de ambas as empresas:

Itaú (ITUB3/ITUB4): https://www.itau.com.br/relacoes-com-investidores/Download.aspx?Arquivo=h6WQ5bq1WRA7sUz54cF52w==&linguagem=pt

BB Seguridade (BBSE3): http://www.bbseguridaderi.com.br/

Itaú Unibanco (ITUB3)

O Banco Itaú, maior banco privado da América Latina, reportou outro forte resultado nesse fechamento de trimestre.

Destaques:

  • Aumento do lucro líquido: 1,9% comparado ao 3T18 e 10,2% sobre 2018.
  • Aumento do ROE (Retorno sobre patrimônio líquido): 0,3% ante 3T18 e 1,7% sobre 2018, atingindo 23,7%.
  • Expansão da carteira de crédito para todos os segmentos (PF, PJ, etc): Apesar da nova regulação da cobrança de juros, onde linhas de juros tiveram que ser reduzidas, o banco conseguiu conhecer melhor seu cliente através do Cadastro Positivo, contribuindo desse modo no aumento de receitas provenientes de empréstimos. Somado à isso, a redução progressiva da Selic estimulou a tomada de crédito.
  • Aumento de receitas provenientes de assessoria econômica, financeira e corretagem: mesmo isentando custódia e Taxa 0 pra FIIS, por exemplo, o banco conseguiu rentabilizar através da assessoria, ou seja, orientando clientes através de suas carteiras recomendadas, promovendo o ganho com corretagem, taxa de administração em fundos de investimento e ETF.
  • Dividendos: Após a divulgação dos resultados, o banco deliberou nova distribuição de dividendos. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ("Companhia") comunica aos seus acionistas que o Conselho de Administração, reunido em 10.2.2020, aprovou o pagamento, em 6.3.2020, dos seguintes proventos aos acionistas, tendo como base de cálculo a posição acionária final registrada no dia 20.2.2020:

  • a) dividendos complementares no valor de R$ 0,4832 por ação; e
    b) juros sobre o capital próprio complementares no valor de R$ 0,5235 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,444975 por ação, excetuados dessa retenção os acionistas pessoas jurídicas comprovadamente imunes ou isentos.
    Aprovou, ainda, que os juros sobre o capital próprio declarados pelo Conselho de Administração em 28.11.2019, no valor bruto de R$ 0,037560 por ação (líquido de R$ 0,031926 por ação), também serão pagos em 6.3.2020 aos acionistas com posição acionária final registrada no dia 12.12.2019.
    Em relação ao resultado de 2019, os acionistas da Companhia receberão R$ 1,9270 por ação, que totaliza R$ 18,8 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio (líquido de imposto de renda), valor esse que equivale a 66,2% do lucro líquido consolidado recorrente do exercício de 2019.
Enfim, excelente resultado. Por mais que exista um sensacionalismo provocado pela ameaça das fintechs, sigo confiante e tranquilo na capacidade de geração de caixa do Itaú. Lembrando que o número de agências físicas foi reduzida em 8,8%, isso tudo faz parte do processo de digitalização do Banco, que vem investindo continuamente em processos para torná-lo cada vez mais digital. Portanto, acredito que o banco continuará crescendo em 2020 sobretudo impulsionado pela demanda de crédito tanto de PF e PJ apostando numa consolidação do aquecimento econômico em nosso país.

BB Seguridade (BBSE3)

A BB Seguridade, por sua vez, também reportou um resultado expressivo. Como se trata de um modelo de negócios com vários braços de receitas e para efeito de simplificação, segue quadro resumo com os principais destaques:


O lucro líquido no 4T19 da ordem de R$ 1,1 bilhão, 34,8% maior comparado ao 4T18. No total de 2019, o lucro líquido foi de incríveis R$ 4,3 bilhões, 21,3% maior do que no ano anterior. A empresa salientou que muito desse resultado é atribuído, entre outros fatores, à dinâmica favorável dos índices de inflação que atualizam os ativos e passivos dos planos definidos. 

O resultado foi tão bom que, inclusive, superou o valor estimado pelo Guidance 2019.


Com um resultado tão expressivo, a empresa deliberou pagamento de dividendos referentes ao 2T19. Simplesmente uma bolada de mais de R$ 3 bilhões, representando 83% do payout da empresa.

Aviso: distribuição de dividendos

Portanto, resultado robusto da BBSE3, enfatizando a resiliência do setor de seguros. Sigo confiante no case da empresa, na forma como é desdobrado suas fontes de receitas: seguros diversos (caso, carro, vida, etc), planos de previdência, corretora, isso tudo potencializado pela capilaridade do Banco do Brasil. 

Para 2020, a tendência é que os resultados continuem fortes, uma vez que a captação através de previdência pode ser expandida em virtude da maior procura e interesse das pessoas em fazer seu próprio plano de Previdência e também em função dos seguros, com a economia crescendo, haverá aumento de vendas de carros, por exemplo, e consequentemente maior procura por seguros de veículos. Além disso, o próprio setor de corretagem pode crescer ainda mais, dado que o BB vem fazendo campanhas diversas sobre app da Corretora, onde taxas de custódia foram zeradas , então isso pode atrair os próprios clientes do banco à operarem ativos de Renda Variável, resultando em ganhos financeiros através da corretagem.

Disclaimer: Esta postagem não se trata de recomendação de compra dos ativos citados. O objetivo é apenas divulgar e analisar os resultados das empresas que sou sócio. Lembrando que resultados passados não é garantia de resultados futuros, então fica à cargo do investidor tomar suas próprias decisões de investimento, isentando o blogueiro de qualquer responsabilidade.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Aporte 04: BBSE3

Aporte Fev/20: BBSE3

Enquanto a maior parte da população brasileira já se encontra ansiosa pelo Carnaval, eu estava ansioso pelo aporte desse mês, devo confessar.

Diante da oscilação negativa que tive em minha carteira no mês passado e buscando minimizar meus riscos, cogitei a hipótese de inserir alguma empresa de energia elétrica em minha carteira. Entretanto, raciocinei melhor e optei por analisar a composição da minha carteira e priorizar a ação mais descontada.


Composição da carteira antes do Aporte


Muitos investidores ficam presos em percentuais, ou seja, estabelece uma porcentagem que deseja ter em determinada ação e só faz o aporte nela quando seu gerenciamento de carteira sinaliza isso. É uma boa forma de mitigar os riscos e alocação de ativos, reconheço. Entretanto não utilizo esse método, uma vez que ele te força a aportar nessa ação, sem considerar o contexto, ou seja, outras ações da sua carteira podem estar num momento melhor de aporte e você simplesmente não se atenta à esse fato.

Pois bem, a minha estratégia consiste em aportar na ação mais descontada em relação ao meu Preço Médio (PM), independente do percentual dessa ação em minha carteira (obviamente que haverá período em que todas as ações apresentarão upside, nesse caso irei avaliar a que teve a menor variação, o DY, ou ainda a possibilidade de aportar numa ação que esteja no meu radar ou simplesmente deixar na Renda Fixa como Reserva de Oportunidade). Ou seja, quanto maior o descolamento do PM, melhor, afinal estou comprando mais barato. 


Desempenho individual das ações

Analisando o desempenho das minhas ações, fica evidente a discrepância apresentada entre ITUB3 e BBSE3. Ambas estão com rentabilidade negativa, contudo a BBSE3 apresenta um desconto maior.  Os gráficos abaixo demonstram essa discrepância.
Relação Preço Médio x Cotação atual BBSE3
Relação Preço Médio x Cotação atual ITUB3

Notem que ITUB3 teve períodos onde a cotação ultrapassou o PM, então nesses casos é melhor direcionar o aporte para uma outra ação que esteja num melhor momento. Por outro lado, BBSE3 pode apresentar um bom desempenho nos próximos meses, assim como ITUB3, nesse caso irei procurar outra oportunidade melhor. Esses movimentos irão ocorrer sempre na Renda Variável, e com o tempo naturalmente minha carteira ficará mais robusta e diversificada, então por isso opto pela gestão ativa da carteira.

Através da gestão ativa você consegue comprar mais ações de uma empresa e com mesmo aporte, ou seja, você adquire um número maior de ações. Por exemplo, mês passado comprei 13 ações de BBSE3, nesse mês devido a queda no preço conseguiria comprar 14 com o mesmo aporte, mas acabei comprando 15, pois tinha um saldo na conta da corretora.

"Pô, Colheita, apenas 1 ação à mais?". O importante aqui é assimilar esse conceito, sem se ater ao número. O meu aporte ainda é pequeno, o fluxo de dividendos ainda é irrisório, mas a partir do momento que a bola de neve dos juros compostos começar a trabalhar (aportes + reinvestimento dos dividendos), o resultado será exponencial.  Agora consigo comprar 1 ação através desse método, daqui um tempo pode ser 10, 50 e por que não 1 lote de 100 ações? Lembrando que o meu foco é aumentar minha participação nas empresas, então quanto mais ações eu tiver em custódia maior será minha renda passiva, esse é o ponto chave dessa estratégia.


                                                 Composição da carteira após o Aporte


Resumo do Aporte Fev/2020:

Ação: BBSE3
Preço da ação: R$ 34,90
Valor Investido: R$ 523,50
Quantidade de Ações: 15

Disclaimer: Este post não é uma recomendação de compra, até porque o blogueiro não possui certificação no mercado de capitais para indicar ativos financeiros. O objetivo da postagem é única e exclusiva no sentido de registrar meu aporte mensal e compartilhar com os leitores a saga de um pequeno investidor pessoa física na Bolsa de Valores.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Nova queda na Taxa Selic: o que muda nos seus investimentos?

Pela quinta vez seguida o Copom (Comitê de Política Monetária) decidiu reduzir a taxa de juros básica da economia brasileira para 4,25% ao ano, com corte de 0,25%. Desse modo, a Taxa Selic alcançou seu menor patamar em toda sua história.



                                 Evolução histórica da Taxa Selic. Fonte: Agencia Brasil


Essa retração na taxa de juros está relacionada com a expectativa de crescimento econômico do nosso país e com todas as mudanças estruturais da economia brasileira (Reforma da Previdência, Tributária, etc). 

Entretanto, o Banco Central sinaliza que pretende interromper os cortes da Taxa Selic “O Copom entende que o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária. Considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária".

Ou seja, a Taxa Selic irá render 4,25% ao ano e não há previsão de redução ou aumento, ao menos momentaneamente.


Se para um lado é ruim para o investidor conservador, a redução da taxa de juros é benéfica para economia, uma vez que favorece a tomada de empréstimos por parte das empresas visando financiar seus projetos e ao mesmo tempo,  reduz as suas dívidas atreladas ao CDI. 

O que muda nos seus investimentos?


De 2014 até 2017, os investidores mais conservadores estavam num "céu de brigadeiro" com a Selic em dois dígitos, onde títulos do Tesouro Direito chegaram à alcançar 15% de rentabilidade ao ano. Contudo, em Outubro de 2016 o Copom decidiu reduzir a taxa até atingir o patamar de 6,5% ao ano, em março de 2018. Em Julho de 2019 houve nova redução de 0,5%, seguido de novas reduções até alcançar o patamar atual.

Se com a Taxa Selic em 6,5% os investidores tiveram que buscar novas alternativas para rentabilizar seus investimentos, agora em 4,5%, se faz ainda mais necessário tomar um pouco mais de risco, colocando o pé na Renda Variável.

Esse movimento de transição da Renda Fixa para Renda Variável já é notório. Prova disso é que o número de investidores pessoas físicas na Bolsa dobrou de 2018 para 2019.


                      Nº de investidores pessoas físicas na B3 dobrou de 2018 para 2019.Fonte: Portal R7.


Evolução histórica: número de CPFs na Bolsa.Fonte: Portal R7


                       Segmentação de pessoas físicas na B3: Faixa etária e gênero. Fonte: Portal R7.


Dentre os investimentos de Renda Fixa, o mais popular é, sem dúvidas, a poupança. Com essa nova queda, a poupança, por exemplo, vai render 2,98% ao ano, abaixo da inflação prevista para este ano, isto é, 3,4%. Ou seja, o seu poder de compra é deteriorado pela inflação caso mantenha seu dinheiro na poupança (tenho um percentual na poupança para cobrir gastos imprevistos, mas isso é assunto pra um outro post sobre reserva de emergência). 


Além da poupança, que rende 70% da Taxa Selic, todos os investimentos de Renda Fixa (CDB, LCI, LCA, Tesouro Direto) foram afetados. Portanto, essa queda da Selic pode representar um empurrão à mais para o investidor conservador rever seu perfil de risco e buscar rentabilizar seu dinheiro através de ações ou fundos imobiliários.

Conclusão


Essa nova queda na Taxa Selic já era esperada pelo mercado em função dos desdobramentos econômicos em nosso país. Entretanto, cabe algumas observações para os investidores iniciantes que pensam em migrar seus investimentos da Renda Fixa para Renda Variável:

  • Estude bastante em quais empresas ou fundos imobiliários deseja investir antes de tudo. Aqui na Blogosfera você encontrará muito material excelente, assim como na internet em geral, mas tem que saber filtrar.
  • Não realoque todo seu dinheiro de uma vez na Renda Variável. Comece pequeno,coloca um valor que você aceitaria perder, ou seja, determine uma quantia mensal e faça os aportes com calma.
  • Escolha empresas lucrativas, inseridas em setores resilientes. Evite setores complicados, por exemplo commodities, cuja oscilação é forte e está atrelada à macroeconomia.
  • Evite "dicas quentes", tentar acertar a grande tacada: Ninguém fica rico da noite para o dia na Bolsa de Valores, isso é um conto criado por Youtubers vendedores de curso de Day Trade.
  • Não estabeleça métrica de rentabilidade: ninguém sabe quanto irá ganhar na Renda Variável, então não adianta estabelecer um número mágico que deseja alcançar, pois na primeira e grande oscilação negativa você irá vender suas ações com prejuízo . Foca em investir em boas empresas, visando o longo, que terá um bom retorno, seja em aumento patrimonial ou em dividendos. 

sábado, 1 de fevereiro de 2020

Fechamento: Jan/20

Fala, finansfera. Tudo bem com vocês?

O primeiro mês do ano de 2020 acabou (enfim) e cá estou eu para publicar o balanço de Janeiro.

Nesse mês, os investidores vivenciaram uma verdadeira montanha-russa na Bolsa de Valores. Em especial, nesta última semana, o qual ocorreu uma forte oscilação no preço das ações decorrente do surto de uma epidemia denominada Coronavírus na China, onde até o momento datam mais de 11 mil casos de infecção e mais de 250 mortes, segundo o G1.

Diante disso, minha humilde carteira simplesmente derreteu. Falar de volatilidade na teoria é muito simples porém quando o seu dinheiro está em jogo, a figura muda. Sempre frisei que o meu foco é na renda passiva, entretanto ver seu patrimônio (mesmo que pequeno) oscilando, é desconfortável, devo admitir. Contudo, esses movimentos são uteis para testar nossa tolerância ao risco como investidores e pavimentar nossa trajetória na renda variável.

Feito esse preâmbulo inicial, tive um aumento (em termos percentuais) significativo no patrimônio em Dezembro/19 e salientei (no post de Fechamento de Dez/19) que isso não deveria me empolgar. Dito e feito, no mês seguinte já veio uma queda, isto é renda variável, meus amigos.


Apesar disso, nesse mês recebi meu primeiro dividendo. Um valor irrisório, digamos, porém é muito significativo pois representa o início do meu processo de formação de renda passiva.


Essa semana farei meu aporte de Fevereiro. Há rumores de que na segunda-feira haverá uma forte oscilação na Bolsa de Valores ainda motivado pela epidemia na China. Ainda não sei se aportarei em BBSE3 pois até o momento é a minha ação mais descontada (em relação ao meu preço médio) até então ou se coloco uma nova empresa e de outro setor na minha carteira visando um controle maior de risco, uma vez que estou muito exposto ao setor financeiro. Enfim, tudo vai depender da movimentação do mercado, afinal, nessas quedas abrem excelentes oportunidades de comprar ações de boas empresas com desconto.



Por fim, independente do que ocorrer nessa semana em termos de volatilidade, siga seu plano. Não opere baseado em notícias, dicas, fóruns de discussão, redes sociais ou o que for. Quedas e subidas fazem parte do mecanismo do investimento em ações, porém o que fará diferença é se manter fiel em sua estratégia e pensar no longo prazo. Foco no processo, sempre!

Então, é isso aí, pessoal. Ótimo final de semana para todos vocês! 


terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Segunda Sangrenta na Bolsa

Com receio do coronavírus na China, o Bovespa registrou queda de 3,29%, a maior correção desde Março de 2019, onde teve um recuo de 3,57%.


Dentre as empresas mais afetadas estão aquelas que possuem operações voltadas para China, inseridas em setores como siderurgia, papel, celulose e proteína animal. Algumas ações atingiram perdas acima de 7%: Gerdau (GGBR4) 7%, CSN (CSNA3) 7,78%, Marfrig (MFRG3) 7,27% e Usiminas (USIM5) 7,12%.

Apenas algumas poucas ações fecharam no positivo ontem, representado aqui Telefônica Vivo (VIVT4) 0,83% e Raia Drogasil (RADL3) 0,81%.

 As Blue Chips do setor de commodities como Vale (VALE3) e Petrobrás (PETR4) também sentiram o baque, apresentando queda de 4,33% e 6,12%, segundo Jornal do Comércio.

Se assustou ontem, caro investidor? Acha que esse movimento é apenas o começo ou vem uma correção forte por aí? Uma queda de 3% no índice te assusta ou você consegue dormir tranquilo? Agora imagina uma queda de 30%, 50%, você estaria preparado?

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Rapidinhas da Bolsa

Bom dia, leitores!

Giro de notícias dessa segunda:



Minerva (BEEF3): O frigorífico Minerva confirmou a captação de R$ 1,235 bilhão com a oferta de ações a R$ 13, um desconto de 8,9% frente ao fechamento de R$ 14,27 da véspera. Do total, R$ 1,030 bilhão vai para o caixa da Minerva, com a emissão de 80 milhões de ações. Já a família Vilela de Queiroz, que controla a empresa, vendeu 15 milhões de ações. Com isso, obterá R$ 195 milhões.
CSN (CSNA3): A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) precificou e começará a venda de US$ 1 bilhão (R$ 4,16 bilhões) em notes nos Estados Unidos, através da sua subsidiária CSN Islands XI Corp. Segundo a empresa, as notes terão vencimento em 2028 e pagarão juros de 6,75% ao ano.
Petrobras (PETR4): A Petrobras comunicou ao mercado que sua subsidiária Petrobras Biocombustíveis iniciou a fase não vinculante para a venda da sua participação de 50% na BSBios – Indústria e Comércio de Biodiesel Sul Brasil. A BSBios possui duas fábricas de biodiesel, uma em Passo Fundo (RS) e outra em Marialva (PR).
Triunfo (TPIS3): A Triunfo Participações informou na noite de ontem que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu as multas aplicadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) contra a sua subsidiária, a Aeroportos Brasil Viracopos. O Aeroporto de Viracopos (SP), controlado pela Triunfo e um sócio, está em recuperação judicial.
Braskem (BRKM5): A petroquímica Braskem informou que fechará sua unidade industrial de cloro-soda em Camaçari (BA) porque a fábrica chegou ao fim da vida útil. Segundo a Braskem, a unidade funciona desde 1979 e tem a capacidade de produção anual de 79 mil toneladas de soda cáustica e 64 mil toneladas de cloro. A petroquímica informou que o fechamento acontecerá em abril deste ano por motivos de segurança.
Taurus Armas (TASA4): A Taurus Armas, fabricante brasileira de armamentos, comunicou na manhã de hoje que assinou acordo com a empresa indiana Jindal Group para produzir e vender armas no país asiático. O acordo foi assinado durante viagem da comitiva do presidente Jair Bolsonaro à Índia, da qual participaram executivos da fabricante brasileira de São Leopoldo (RS). 
Vale (VALE3): A Vale aumentou, no último sábado, o nível de alerta da Barragem Sul Inferior, da Mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), citando as fortes chuvas na região, com Minas Gerais já registrando 44 mortes em decorrência dos efeitos dos temporais.
Omega Geração (OMGE3): A Omega Geração, empresa de energia elétrica em Minas Gerais, comunicou que o nível pluviométrico muito alto nos últimos dias fez o rio Pardo Pequeno transbordar, no último sábado, superando o limite do reservatório da usina de Serra das Agulhas. A empresa afirma que ocorreram avarias na barragem. A usina foi desligada no sábado e passará por inspeções para reparos.
JSL (JSLG3): A JSL, uma das maiores empresas de logística e transportes do Brasil, informou hoje que está avaliando uma oferta pública de ações da sua subsidiária Vamos Locação de Caminhões, Máquinas e Equipamentos S.A. Segundo a JSL, a possibilidade da oferta ainda “depende das condições dos mercados, nacional e internacional”.
Eneva (ENEV3): A empresa de energia Eneva comunicou ao mercado que emitirá 600 mil debêntures simples, em um valor total de R$ 600 milhões. A Eneva contratou o Itaú Unibanco para ser o formador de mercado da operação.

Fonte: advfn.com.br
--
P.S: Tomara que não ocorra mais nenhum rompimento de barragem da Vale. A situação está caótica em diversos municípios de MG, que já decretaram estado de calamidade pública em virtude das enchentes. 
Felizmente, a enchente não atingiu minha residência. Entretanto, o que tem me incomodado é o fato de muitos "espertinhos" aproveitarem da situação para saquear comércio e casas. Lamentável, é incrível a capacidade do ser humano de se superar negativamente.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Setor Bancário: Cronograma de Balanços 4T2019


O setor bancário é notoriamente um porto seguro para os investidores dito defensivos. Em meio à crises, desemprego, queda do PIB, os grandes bancos, também denominado "bancões" bateram recordes sucessivos em seus lucros.

Entretanto, devido a maior concorrência no setor aqui representada pelas fintechs e bancos digitais, o mercado já está antecipando uma provável queda nos lucros dos bancões a partir de 2020, o qual é refletido no preço das ações neste mês, representado a seguir em termos percentuais:


Itaú Unibanco (ITUB3)           - 6,65 %
Itaú Unibanco (ITUB4)           - 8,84 %
Bradesco (BBDC3)                  - 6,06%
Bradesco (BBDC4)                  - 5,76%
Banco do Brasil (BBAS3)       - 5,40%
Santander (SANB11)               -7,43%


Para o investidor fundamentalista, mais importante do que notícias/previsões/perspectivas é o próprio balanço divulgado pela empresa, através do mesmo temos condições de avaliar se de fato a empresa perdeu e/ou deteriorou seus fundamentos. 

Posto isso, segue agenda de divulgação dos balanços referente ao 4º Trimestre 2019:
  • Santander = 29/01
  • Bradesco= 05/02
  • Itau Unibanco = 10/02
  • Banco do Brasil = 13/02
Lembrando que os analistas estão prevendo queda nas margens e ROE a partir de 2020, porém  o balanço do 4T/2019 pode trazer alguns indícios do que virá pela frente.

Minha carteira este mês está derretendo, entretanto sigo confiante neste setor. Vou aguardar os balanços do próximo ano, avaliar bem, pois nessas ocasiões que o investidor iniciante não suporta as quedas e notícias e acaba vendendo no pânico.

Quem aí também é entusiasta e ainda acredita no setor?


quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Rapidinhas da Bolsa



Bom dia, finansfera!
Giro rápido de notícias.

Petrobras (PETR4)(PETR3): A Petrobras anunciou a oferta pública de 611,8 milhões de ações ordinárias que o banco estatal BNDES possui na petrolífera, que serão vendidas na B3 e também na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). O valor da venda é estimado em pelo menos R$ 19 bilhões, tomando apenas como referência o valor da ação ON da empresa na B3 no dia 20.  
Eztec (EZTC3): A construtora paulista Eztec publicou a prévia operacional do quarto trimestre de 2019. Segundo a Eztec, suas vendas líquidas cresceram 158% em 2019 sobre 2018, para R$ 1,56 bilhão. A empresa afirma que houve uma “escalada” de lançamentos no ano passado, com expansão de 152% sobre o ano de 2018, para R$ 1,89 bilhão. 
Tenda (TEND3): A construtora Tenda publicou prévia operacional do quarto trimestre do ano passado e de 2019. Segundo a empresa, as vendas líquidas somaram R$ 615,9 milhões no quarto trimestre, uma expansão de 34% sobre igual período de 2018. Outro dado mostrado pela empresa foi uma expansão de 34,6% nos lançamentos no ano passado sobre 2018, o que representou um valor de R$ 2,58 bilhões.
Iguatemi (IGTA3): A Iguatemi assumiu a participação que o IRB Brasil tinha no Praia de Belas Shopping Centers, de Porto Alegre (RS), e Shopping Center Esplanada, de Sorocaba (SP).
FONTE: advfn.com.br

--

Tenho o pé atrás com o setor de construção civil devido ao seu comportamento cíclico.  Entretanto, muito me surpreende a EZTEC. Tenho acompanhado a empresa e os resultados são sólidos, prova disso é a cotação que não pára de subir. Alguém por aí é acionista da EZTEC3?

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

A importância da liquidez e reserva de oportunidade na Renda Variável


A liquidez no mercado financeiro pode ser traduzido pela facilidade com que um determinado recurso financeiro fica acessível ao investidor. Essa facilidade, por sua vez, pode ser entendida também como rapidez. 

Existem diversos instrumentos financeiros com essa finalidade: Tesouro Selic, CDB com liquidez diária, poupança e até mesmo a conta corrente da sua corretora. O objetivo aqui não é rentabilizar e sim alocar o dinheiro numa opção segura e ao mesmo tempo de fácil resgate.

Por outro lado, uma "reserva de oportunidade" é um recurso alocado com liquidez voltado para capturar oportunidades do mercado, seja no investimento em ações ou fundos imobiliários.

A Bolsa de Valores, via de regra, "sobe caindo". Isto é, o preço das ações oscilam à todo momento, seja para cima ou para baixo. Mesmo num momento de bull market , onde a maioria das ações estão subindo vertiginosamente, há espaço para quedas e o investidor atento pode capturar essas lacunas e utilizar o fundo de oportunidade para realizar bons negócios.

Durante o mês de Dezembro estive monitorando algumas ações que estavam no meu radar e acabei "sofrendo" por não dispor de um fundo de oportunidade. Uma das empresas em minha watchlist era a Sanepar, Companhia de Saneamento do Estado do Paraná, representado aqui pelo código SAPR3.

SAPR3: Ação em viés de queda desde Julho até Dez/19


Enquanto a SAPR4 teve uma valorização ao longo do ano, SAPR3 seguiu pro caminho reverso de desvalorização e lateralização.
SAPR4: Ação em viés de alta desde Jul até Dez/19


No Estatuto da empresa, especificamente na Política de Dividendos, é definido que os acionistas de SAPR3 receberão 10% a menos de dividendos por ação em relação aos detentores da ação preferencial SAPR4. Nesse momento, SAPR3 se configurava como uma ótima oportunidade de compra uma vez que o seu preço estava descolado de SAPR4 num valor acima de 10%, ou seja, você receberia um dividendo maior pelo fato de comprar uma ação mais barata.

Aqueles investidores que também visualizaram essa lacuna e tinham liquidez para aportar, aproveitaram. Outros tantos que já possuíam as ações PN,  fizeram a venda para comprar a ação ON, prova disso é o movimento dos gráficos, representando a subida expressiva da SAPR3 e a queda da SAPR4.

SAPR3: Subida explosiva após percepção do mercado.

Outro exemplo, foi referente às ações do Banco Santander (SANB4). O banco divulgou no dia 27-12-19 que iria pagar um valor excelente por ação sob forma de dividendos e JSCP, totalizando cerca de R$ 1,09 por ação, naquele momento o DY (Dividend Yield era acima de 6%), configurando uma ótima oportunidade. O mercado percebeu e a cotação explodiu devido ao volume de compras e voltou  a cair na data-ex (06-01-20). Quem tinha liquidez, poderia ter comprado a a ação, assegurado o direito ao dividendo e realizado a venda posteriormente, embolsando o lucro do dividendo+valorização ou, simplesmente, mantendo em carteira para o longo prazo ao melhor estilo Buy and Hold. 
SANB4: Movimento de alta após divulgação de pagamento de dividendos e baixa após data-ex.

Aos entusiastas de fundos imobiliários, recentemente houve uma forte correção do mercado, isto é, volume alto de vendas(provavelmente para realização de lucros) o que se traduziu na queda das cotações de FIIs com fundamentos sólidos, como KNRI11 e HGLG11. Da mesma forma, quem ostentava uma reserva com liquidez aproveitou para se tornar sócio ou aumentar posição.

KNRI11: Forte alta desde Set/19 e queda em Jan/20


HGLG11: Subida forte em Dez/19 seguido de queda expressiva em Jan/20

Obviamente que, ninguém sabe qual é o "fundo" na queda de uma ação, nem mesmo o analista ou grafista mais capacitado do mercado, você pode comprar pensando que fez um baita negócio e a cotação continuar despencando, uma vez que na Renda Variável nada é garantido. Olhar pelo retrovisor parece fácil, mas estes exemplos ajudam a fortalecer o feeling do investidor.

Ainda não tenho 03 meses na Renda Variável - na prática com o meu suado dinheiro (embora esteja estudando há 02 anos). Sou um investidor iniciante, estou em processo tanto de aprendizado constante quanto da montagem da minha carteira e já pude perceber o quão importante é constituir uma reserva com liquidez. Você não precisa vivenciar o mercado 24 horas por dia, mas com um pouco de dedicação, observação e coragem, você pode fazer bons negócios que farão diferença no longo prazo, seja em seu processo de formação de patrimônio ou simplesmente no incremento da sua renda passiva.

Existem inúmeros exemplos onde a falta de liquidez e uma reserva poderiam ser aproveitados. A Bolsa de Valores sempre possibilita isso, seja devido crises, situações macroeconômicas, entraves políticos, notícias e etc. 

Enfim, quis trazer exemplos recentes que observei. E você, caro leitor, qual foi sua maior experiência negativa pela falta de uma reserva de oportunidade? Em qual momento você se martirizou por não ter dinheiro para comprar aquela ação ou FII em "promoção"? Conte pra gente! 




segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Rapidinhas da Bolsa



Boa tarde, leitores!

Giro rápido de notícias desta segunda-feira:

Ânima (ANIM3): A Ânima aprovou a oferta primária de 22.482.015 ações ordinárias. A quantidade de ações inicialmente ofertada poderá ser acrescida em virtude da possibilidade de colocação das ações adicionais.
Petrobras (PETR3)(PETR4): De acordo com o Valor Econômico, a Petrobras deve perder o direito de preferência concedido na exploração do pré-sal. A avaliação é de que esse direito distorce a concorrência e afasta competidores.O governo também deve reduzir o valor do bônus de assinatura ou diminuir o percentual de partilha do óleo com a União exigido nos campos de Sépia e Atapu, no pré-sal.
Trisul (TRIS3): A Trisul divulgou prévia operacional do quarto trimestre de 2019. A construtora planejava lançar e vender entre R$ 900 milhões e R$ 1 bilhão no ano. Porém, o resultado sobre a média dessa projeção foi de 121% e 118%, respectivamente.
Eneva (ENEV3): A empresa divulgou que vai realizar a emissão de 600 mil debêntures simples, no valor unitário de R$ 1.000,00, totalizando a captação de 600 milhões. Cujo valor será utilizado, prioritariamente, para execução do projeto de investimento Azulão Geração de Energia S.A.
Fonte: ADVFN

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Rapidinhas da Bolsa





blank
Lojas Renner (LREN3): O Conselho de Administração da Lojas Renner propôs aumentar o payout (porcentual de pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio) para os acionistas para 50% do resultado do exercício de 2019, versus cerca de 30% nos últimos anos. 
MRV (MRVE3): A construtora e incorporadora imobiliária MRV apresentou ontem ao mercado sua prévia do quarto trimestre de 2019. Entre os principais resultados, a MRV afirma que 2019 foi o “melhor ano de lançamentos da companhia em VGV, com crescimento de 7,4% sobre 2018”.
Lojas Americanas (LAME4): A Lojas Americanas comunicou ontem ao mercado que foram subscritas 5,1 milhões de ações ordinárias e 9,9 milhões de preferenciais no seu aumento de capital, totalizando uma soma um pouco superior a R$ 222 milhões. 
BR Distribuidora (BRDT3): A BR Distribuidora assinou com a Bitumina Industries, com sede em Dubai, documento que estabelece exclusividade por 90 dias para negociação para venda de 100% das ações da Stratura Asfaltos, com sede em Paulínia.
Helbor (HBOR3): A construtora e incorporadora imobiliária Helbor divulgou ontem seus resultados prévios do quarto trimestre e do ano de 2019. Segundo a empresa, suas vendas totais cresceram 133% no quarto trimestre, sobre o mesmo período de 2018.
Fonte: advfn.com.br
---
Olha a Lojas Renner aí propondo aumento do payout, excelente notícia. Não sou acionista, mas sou cliente e nesse fim de ano a fila estava absurda, loja muito cheia. Penso em me tornar acionista, embora tenha um pé atrás com o setor de varejo que, via de regra, opera com margens baixas e a concorrência é brutal. E você, caro leitor, o que acha dessa empresa?
Ótimo final de semana e amanhã terá um post do Panorama Semanal! :-)

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Rapidinhas da Bolsa


Bom dia, finansfera!

Segue mais um giro de notícias, boa leitura!


KLABIN (KLBN11): A companhia informou que irá emitir U$$ 800 milhões em notes, que serão distribuídos nos Estados Unidos e a empresa pagará um yield de 6,01% ao ano, as notes vencerão em 2049. Somente cidadãos norte-americanos ou residentes nos EUA podem adquirir os papéis.“Os recursos captados com a emissão das notes serão destinados ao financiamento ou refinanciamento, no todo ou em parte, de custos e investimentos em ‘green projects’ elegíveis”, informou a empresa. 

VALE (VALE3): A empresa suspendeu as operações na Mina Esperança, em Brumadinho.A suspensão se deve a falta de estabilidade da pilha de estéril e rejeito.A unidade produz cerca de 1M ton/ano.

LIGHT (LIGHT3): A companhia informou que o BNDS deixou de ser acionista da empresa, tendo vendido cerca de 19 milhões de ações entre Dezembro e Janeiro. O movimento do BNDS é justificado pela opção do Governo em não investir em negócios que não são vistos como essenciais.

WEGE (WEGE3): A WEG S.A. (B3: WEGE3 / OTC: WEGZY), comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que firmou com a companhia Transformadores e Serviços de Energia das Américas S.A. ("TSEA") um acordo para a aquisição de uma das suas fábricas de transformadores, situada no município de Betim, Estado de Minas Gerais.
Construída em 2013, a fábrica dispõe de 32.500 m² de área construída e conta com equipamentos e instalações de última geração. Com uma equipe de 250 colaboradores, a unidade é especializada na fabricação de transformadores de força, reatores shunt e autotransformadores de força com classe de tensão até 800kV e potência até 500MVA.

CARREFOUR (CRFB3): O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) concedeu aval para que as 17 unidades do Carrefour localizadas na Região Metropolitana de BH sejam administradas pela rede mineira Super Nosso. Ou seja, a marca Carrefour será convertida em Super Nosso em todas as 17 unidades de operação.